Pages

sábado, 10 de março de 2012

Modelando: Model Alliance e a realidade por trás das passarelas.

Enquanto a temporada de moda acontece em Londres, Paris, Milão, NYC e São Paulo, pouca gente sabe o que acontece de fato nos backstages. Quem vê de fora se deslumbra com a beleza e o glamour das coleções desfiladas nas passarelas, mas quem tiver interesse em conhecer a realidade, por favor, fique para o chá.




A prevalência de modelos excepcionalmente magras na passarela já é bem reconhecida. O que pouca gente sabe é que não basta ser magra (MAGRA), existem medidas a serem seguidas à linha. Na minha época (há 4 anos atrás), 89cm de quadril era o limite, mas a glória mesmo era ter 86cm. Quanto mais magra melhor. O tamanho do seu quadril era a garantia do seu sucesso. É claro que o grande problema aí era o incentivo a um estilo de vida nada saudável e à anorexia, no entanto, quando se trata de adolescentes de em média 12 a 14 anos, as consequências são ainda maiores. 


A top model Amy Lemons, por exemplo, que iniciou sua carreira aos 12 anos e aos 14 já havia construído uma carreira de sucesso após aparecer na capa da Vogue Itália, 3 anos depois, aos 17 com seu corpo em formação, foi aconselhada por sua agência em Nova Iorque a comer apenas um bolo de arroz por dia e caso não funcionasse, metade da porção seria o suficiente.


Em 2007 a modelo uruguaiana Eliana Ramos de 18 anos morreu de anorexia após 6 meses a morte de sua irmã também modelo que havia sofrido um ataque cardíaco aos 22 anos.
Em 2009, Daul Kin o coreano de 20 anos rosto da Chanel se enforcou em seu apartamento em Paris apenas algumas semanas depois de escrever em seu blog que estava "deprimido, louco e sobrecarregado." Em 2010, um dia antes da semana de moda masculina em Milão, o modelo francês Tom Nicon de 22 anos suicidou-se em seu apartamento em Milão, assim como a canadense de 20 anos Hayley Kohle, e a famosa russa de 20 anos Ruslana Korshunova, que havia acabado de filmar um comercial para Nina Ricci e fotografado para a capa da Vogue Russia. Essas tragédias, no mínimo, sugerem que os profissionais da área mereçam um padrão estético mais saudável e um sindicato forte que apoie os seus direitos.




Casos de exploração sexual também são bastante comuns e ocorrem com mais frequência que o imaginado nos backstages afora. O mais recente caso declarado foi contra o renomado fotógrafo Terry Richardson que foi acusado por inúmeros modelos em novembro de 2010 de ter tentado abusar sexualmente de cada um deles enquanto realizava o ensaio fotográfico.


Falta de transparência financeira é outro problema significativo. No ano retrasado, três modelos entraram com uma ação judicial contra sua agência em Nova Iorque por supostamente roubar 750.000 dólares de seus ganhos. Essa pressão em conjunto com a dependência financeira e um ambiente de trabalho perigoso, pode ser uma combinação letal.




Mas o que acontecia na semana de Fashion Week em Nova Iorque e ninguém se deu conta foi o surgimento de uma organização sem fins lucrativos a fim de regulamentar a profissão de modelo (finalmente!). A Model Alliance é parte de um crescente movimento mundial de luta contra essa exploração. A organização tem como objetivo aumentar a vitalidade e idoneidade moral do negócio da moda como um todo. Corrigindo esses abusos a partir de uma visão mais humanizada dos modelos, como trabalhadores, que merecem os mesmos direitos e proteções que os profissionais de outras áreas. A iniciativa partiu da ex modelo americana Sara Ziff que começou sua carreira aos 14 e hoje aos 30 anos é formada em direito pela Universidade de Columbia nos EUA.Seu principal objetivo é regulamentar a profissão de modelo nos EUA e combater dessa forma o trabalho infantil, a falta de transparência financeira, o incentivo a distúrbios alimentares, e o abuso sexual no local de trabalho.

Eu, como amante do mundo da moda e ainda, ex modelo e testemunha dos fatos citados acima, fico muito feliz em poder compartilhar essa notícia! É possível que uma indústria tão apaixonante quanto esta seja ao mesmo tempo tão suja e imoral? Que 2012 seja um ano de muito sucesso para o projeto e que as aspirantes a modelo que iniciam suas carreiras agora sejam tratadas com mais dignidade e sejam reconhecidas como profissionais da moda de verdade.




6 Alices comentaram:

Mery - Coqueluxos disse...

Que legal, que as modelos sejam mais reconhecida... adorei saber da notícia... bjokas

Thamires disse...

isso acontece pq as pessoas acham que dinheiro resolve tudo e não veem que essas pessoas que trabalham com imagem também são seres humanos e não fantoches.

maria-bunita.blogspot.com
dá uma passadinha lá, vou adorar sua visita!

bjos

Stéphanie Oliveira disse...

Que boa notícia, esse reconhecimento é muito importante. Posso te esperar no meu bloguinho?

http://tvfabulous.blogspot.com/

Beijinhos

Daniela disse...

conheço muito bem o caso de
anorexia, rs

meu deus, eu tenho92 de quadril,
que tragico!

flor, estou participando de um concurso no
facebook, se por acaso tiveres face podes me ajudar?
E só COMPARTILHAR essa foto aqui:
http://www.facebook.com/photo.php?fbid=266012653478618&set=o.170691742989&type=3&theater
fico muito agradecida *-* bjs e bom fds!

paulabrandino disse...

Mandou muito bem Nath!!!
Bjus
Paula

Mellise disse...

Eu acho mesmo que a profissão tenha que ser regularizada, um sindicato pra isso é muito importante. Mas sei lá... as meninas que estão nisso, é por que querem. Quando são modelos, tem que seguir os padrões, e há sim outra alternativa: não ser modelo. Parece que esquecem isso.. ngm tá sendo escravisado, sabe?